acessibilidade

Início do conteúdo da página

Núcleos e/ou Laboratórios de Pesquisas

LABORATÓRIOS

LABORATÓRIO DE ESTUDOS DA FRONTEIRA - LEF
O LEF, criado em 2006 e instalado no prédio do NECSO (acima referido), congrega pesquisadores, extensionistas e colaboradores da FCH/UFGD e também da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS). Esse grupo se dedica principalmente às reflexões referentes à formação de assentamentos rurais, às ações dos movimentos sociais e políticos, aos conflitos agrários e às questões de gênero. Está vinculado a três grupos de pesquisa já constituídos e atuantes, certificados junto ao CNPq, com área de atuação em assentamentos rurais, sendo eles: "Sociedades e Culturas nas fronteiras de Mato Grosso do Sul", "Gênero, Identidade e Memória" e "Terra, Trabalho, Memória e Migração". A participação dos pesquisadores e pesquisadoras da Sociologia no LEF prioriza as temáticas ligadas a gênero e direitos humanos que se manifestam nos espaços agrários e de fronteira, possibilitando uma melhor compreensão dos processos sociais do Mato Grosso do Sul. Gradativamente, o LEF se apresenta como referência no âmbito regional e no Centro Oeste, para as pesquisas com assentamentos. O LEF possui um significativo acervo documental relativo aos assentamentos, constituído por entrevistas, vídeos, fotografias etc. Dispõe, enfim, de equipamentos usuais de informática, além de várias câmeras e gravadores digitais, mesa de luz para confecção de mapas, filmadora, notebook e data show.

LABORATÓRIO INTERDISCIPLINAR DE ESTUDOS SOBRE AMÉRICA LATINA - LIAL
O Laboratório Interdisciplinar de Estudos sobre América Latina (LIAL) está instalado em uma sala do NECSO, e tem por objetivo principal a produção e a divulgação de conhecimento nas diversas áreas das Ciências Humanas (com ênfase para Ciências Sociais, Geografia, História e Relações Internacionais) sobre a América Latina. Neste sentido, tem empreendido esforços por estabelecer um diálogo interdisciplinar que permita a compreensão, em sua totalidade, da América Latina. Em parceria com o Escritório de Assuntos Internacionais (ESAI/UFGD), tem colaborado para o intercâmbio internacional entre pesquisadores e instituições de ensino e pesquisa da América Latina. Isto implica na constituição de um ambiente propício ao desenvolvimento do senso crítico e da capacidade analítica para estabelecer relações entre fenômenos sociais em diferentes contextos históricos, sociais, políticos, entre outros, que perpassam a região. No âmbito das atividades regulares do LIAL podem-se inscrever os minicursos e palestras promovidas pelo Grupo de Estudos Políticos “Consenso e Coerção” (GEPOC) que agrupa discentes e docentes de diversos cursos de graduação e pós-graduação da UFGD. Durante o ano de 2014 e 2015 o LIAL desenvolveu debates periódicos em torno das teorias, destacando as principais obras de pensadores políticos e sociais latino-americanos; organizamos o I Ciclo de Cinema Latino-Americano, com a exibição e debate de 5 filmes de diferentes países da região; e discentes e docentes do Laboratório estiveram engajados na organização do V Seminário Internacional América Platina, que congregou pesquisadores de diversas universidades brasileiras e latino-americanas (mais informações estão disponíveis no sítio http://www.seminarioamericaplatina.com/) .

LABORATÓRIO DE ESTUDOS SOBRE DEMOCRACIA E MARXISMO - LEDEMA
Também instalado no NECSO, o Laboratório de Estudos sobre Democracia e Marxismo (LEDEMA) está  constituído por professores, pesquisadores, estudantes e militantes de movimentos sociais com o intuito de pesquisar, produzir e divulgar conhecimento sobre as diversas mudanças que perpassam o capitalismo contemporâneo, apontando unanimemente para um progressivo processo de pauperização das classes e grupos subalternos. De fato, hoje, as possibilidades de avanço social se vêm canceladas pela crise estrutural do sistema sociometabólico do capital ao redor do mundo, transferindo a soberania nacional para os organismos financeiros internacionais, rebaixando a democracia e reduzindo as conquistas trabalhistas. É interesse do LEDEMA relacionar as problemáticas internacionais e nacionais com questões locais incentivando projetos de extensão que integrem as discussões e os saberes teóricos levantadas nas atividades do Laboratório com práticas e experiências concretas na região da Grande Dourados. Para tanto, te como os objetivos específicos propiciar aos alunos de graduação e pós-graduação da FCH oportunidades para estudo, pesquisa e debate sobre a atual conjuntura; estabelecer colaboração com outros institutos, centros e grupos, nacionais e estrangeiros para o desenvolvimento de ações relacionadas à temática; desenvolver grupos de pesquisa e atividades relacionadas ao ensino, pesquisa e extensão; promover simpósios, congressos, seminários, encontros e outros eventos científicos; incentivar e promover pesquisas que envolvam diferentes áreas dos conhecimentos dialeticamente relacionadas às temáticas do Laboratório; promover a visita de renomados acadêmicos relacionados às temáticas do Laboratório; incentivar a projeção e análise de filmes ou documentários relacionados com a temática do Laboratório; constituir formas de apoio e intercâmbio de experiência entre professores da UFGD; incentivar o intercâmbio acadêmico com centros e instituições nacionais e internacionais; incentivar o intercambio de experiências com movimentos sociais da cidade e do campo na região de dourados; construir um banco de dados relacionado às pesquisas desenvolvidas pelo Laboratório.

LABORATÓRIO INTERDISCIPLINAR DE ESTUDOS SOBRE DIREITOS, DIVERSIDADES E DIFERENÇAS NA FRONTEIRA - LADIF
O Laboratório Interdisciplinar de estudos sobre direitos, diversidades e diferenças na fronteira (LADIF) integra principalmente docentes das áreas de sociologia e de antropologia, num diálogo interdisciplinar em tornos dos temas dos direitos, das diversidades e das diferenças na região de fronteira na qual está situada a UFGD. O LADIF está situado no espaço do NEEF (Núcleo de Estudos Estratégicos de Fronteira), espaço integrado por laboratórios de diversos programas de pós-graduação da UFGD (História, Geografia, Antropologia, Sociologia, Psicologia, Letras e Educação), todos voltados ao estudo das diversas dimensões da fronteira. O LADIF está estruturado em duas linhas de pesquisas, quais sejam: a) violência e direitos na fronteira: envolve estudos e pesquisas sobre o sistema de justiça criminal, drogas, direitos e violência em espaços de fronteira. Tem como foco analítico e empírico as diferentes formas de opressão e de “justiçamento” na contemporaneidade, bem como a questão das “diferenças” que se expressam na experiência de “minorias” e grupos subalternos – mulheres, negros, indígenas, segmentos LGBTTI, menores infratores, entre outros – em seus processos de criminalização com as instituições e os agentes estatais. Nessa perspectiva,  compreende o levantamento de dados, sistematização, análise qualitativa e quantitativa da atuação de instituições estatais, gestão dos conflitos e processos de sociabilidade e subjetivação que tem a violência e os direitos como categorias centrais de operacionalização. Essa linha contempla ainda a análise das operações policiais e controles nas regiões de fronteira, bem como o acompanhamento de políticas públicas de segurança na (e para) a região. Procura-se também  agrupar a questão do encarceramento na região, articuladas à questão da guerra às drogas e do dispositivo médico-criminal; b)  Educação, diversidades, trabalho e reconhecimento:  esta linha aborda, em termos gerais, as intersecções entre raça, classe e gênero e as lutas por direitos, reconhecimento e melhores condições de vida, tendo como foco específico a educação e o trabalho. Quanto à educação, busca pesquisar o  impacto da adoção das políticas de ações afirmativas, observando se de fato tais políticas estão incluindo ou não negros, pardos, indígenas, bem como se as políticas específicas de acesso à universidade estão se articulando a mudanças curriculares que favoreçam o conhecimento da resistência desses povos/grupos. No que se refere ao trabalho, a linha buscará compreender, inicialmente, a inserção indígena no mercado de trabalho local, levando em conta as múltiplas fronteiras envolvidas neste processo. A partir daí, emergem questões cruciais que articulam trabalho, etnia e gênero – posto que a inserção dos indígenas é predominantemente masculina, ainda que existam tendências moderadas de inserção feminina – o que por sua vez, mesmo sendo uma tendência secundária, já coloca questões na organização da vida na aldeia.  Além disso, a questão das fronteiras também se torna evidente, tanto no que se refere à fronteira entre a aldeia e a cidade como as fronteiras que marcam a questão específica do trabalho.

LABORATÓRIO DE ESTUDOS DE GÊNERO, HISTÓRIA E INTERCULTURALIDADE - LEGHI
O Laboratório de Estudos de Gênero, História e Interculturalidade tem por objetivo integrar pesquisadores(as) nacionais e internacionais para a construção de uma rede de conhecimento aprofundado sobre os estudos de gênero, introduzindo novas maneiras de identificar e analisar a realidade e a história e fazer uma revisão crítica do conhecimento a partir dos estudos interdisciplinares dos discursos, histórica, social e culturalmente constituídos, sobre as diferenças sexuais – estudos de gênero. Desenvolve pesquisas em temáticas como, migrações, memória, sexualidade, direitos reprodutivos, trabalho, violência doméstica, cidadania, homossexualidade, identidade, subjetividade e poder. O LEGHI busca propiciar aos alunos de graduação e pós-graduação oportunidades de colaboração, pesquisa e debates no estudo sobre relações de gênero, interculturalidade e história das mulheres; estabelece colaboração com outras entidades, instituições e grupos para estudos dessa área; promove simpósios, congressos, seminários, encontros, reuniões científicas, cursos de atualização e convênios com entidades e grupos nacionais e internacionais; incentiva a publicação dos trabalhos realizados; fornece assessoria a entidades e instituições interessadas, e por fim, articula redes com núcleos de pesquisa que incluem a categoria gênero e historia das mulheres nas suas temáticas. Os membros do LEGHI desempenharam intensas atividades de intercambio internacional durante o ano de 2014, intercedendo para a visita de pesquisadores europeus e latino-americanos, assim como participando ativamente na organização do V Seminário Internacional América Platina, realizado em Dourados – MS.

LABORATÓRIO ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA, FRONTEIRAS, IDENTIDADES E REPRESENTAÇÕES - LEPHFIR
Este Laboratório, mesmo não possuindo um vínculo institucional direto com o curso de Ciências Sociais, é espaço de integração interdisciplinar, no qual discentes e docentes tem dialogado, quando necessário, com os pesquisadores do curso de Geografia, História e Antropologia, em seus níveis de graduação e pós-graduação. Criado em 2006 e instalado no prédio da FCH, é utilizado, com maior frequência, por orientandos de PIBIC e da pós-graduação da Faculdade de Ciências Humanas da UFGD, estando, portanto, aberto aos professores e discentes do PPPGS. Esse laboratório dispõe de mobiliário adequado (incluindo armários e estantes), vários computadores, gravadores digitais, máquina fotográfica digital, filmadora digital e scanner manual (pen scan). A temática da fronteira é de cabal importância para a UFGD, pois a realidade e a história da região estão atravessadas pela especificidade que a faixa fronteiriça concede. Durante o ano de 2014 foi organizado pelos membros do LEPHFIR um evento internacional para discutir as fronteiras brasileiras com o Paraguai e a Bolívia intitulado de “Leituras de Fronteiras”.

NÚCLEOS

NÚCLEO DE ESTUDOS EM CIÊNCIAS SOCIAIS - NECSO
O Núcleo de Estudos em Ciências Sociais (NECSO), órgão de caráter acadêmico e científico vinculado à Faculdade de Ciências Humanas (visto que a estrutura da Universidade Federal da Grande Dourados não prevê a existência de Departamentos como instâncias administrativas), tem por objetivo o desenvolvimento de atividades de ensino, pesquisa e extensão nas áreas de Sociologia, Ciência Política e Antropologia e em seus campos interdisciplinares. O NECSO foi criado com o intuito de congregar pesquisadores a fim de canalizar esforços para o desenvolvimento do campo das Ciências Sociais na Universidade Federal da Grande Dourados. O NECSO também abriga projetos decorrentes de acordos de cooperação. Ao todo, o Núcleo de Estudos em Ciências Sociais possui 250 m2, contando com: Laboratório de Estudos de Fronteira (LEF); Laboratório Interdisciplinar de Estudos sobre América Latina (LIAL); Laboratório de Arqueologia, Etno-história e Etnologia (ETNOLAB); sala para acadêmicos/as com computadores conectados à internet; cozinha; despensa e sanitários.

NÚCLEO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DE FRONTEIRAS - NEEF
Planejado desde 2013, mas instalado em 2015, o Núcleo de Estudos Estratégicos de Fronteira (NEEF), serve como infra-estrutura de apoio a pesquisa para os programas de pós-graduação em Antropologia, Sociologia, História, Geografia, Psicologia, Letras e Educação. Trata-se de um subprojeto integrante do Projeto Institucional de Implantação de infra-estrutura para o Desenvolvimento de Pesquisas e Estudos Estratégicos em Regiões de Fronteira, aprovado em 2008 e financiado pela FINEP.  

CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO REGIONAL - CDR
O Centro de Documentação Regional (CDR) é um órgão da Faculdade de Ciências Humanas da UFGD. Originado de um projeto elaborado por docentes da UFMS/Dourados, ainda na década de 1980, o CDR vem colecionando, desde então, material documental e bibliográfico referente, especificamente, aos estudos regionais (abrangendo Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, região Centro-Oeste e Bacia Platina). O Centro configura-se, assim, como importante fonte documental para o desenvolvimento de pesquisas regionais pelos futuros mestrandos da pós-graduação em Sociologia. Situado em prédio próprio e de construção recente, com uma área total de 280 m2, possui espaços para acervo e higienização de documentos, espaço para a administração, um laboratório de reprodução e uma sala de consulta. O CDR conta com a atuação efetiva de dois técnicos administrativos, um deles apresenta formação em bibliotecário-documentalista e o outro é Mestre em História. E conta ainda, com a colaboração de diversos estagiários com vagas permanentes disponibilizadas pela UFGD (sobretudo estudantes de graduação da FCH), além de estagiários dos cursos de Licenciatura e Bacharelado, como o de Ciências Sociais e acadêmicos que realizam atividades complementares nesse espaço. O CDR oferece aos usuários serviço de digitalização e reprodução de itens do acervo que já se encontrem em suporte digital. Documentos podem ser fotocopiados (a depender do estado em que se encontrem), ou reproduzidos por meio de fotografia digital. Também dispõe de uma hemeroteca composta por jornais e boletins diversos, exclusivamente sul-mato-grossenses e mato-grossenses, revistas e títulos de periódicos científicos, com mais de 600 títulos. O acervo bibliográfico conta com: 1) Livros, folhetos, separatas, teses, dissertações e monografias diversas, num total de mais de 2.000 títulos, abrangendo aspectos sociais, políticos, históricos, econômicos, geográficos, literários, culturais, antropológicos, arqueológicos etc., de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, da região Centro-Oeste em geral e da Bacia Platina; 2) Coleção SUDECO: oriunda da biblioteca da extinta SUDECO (Superintendência do Desenvolvimento do Centro-Oeste), incorporada ao acervo do CDR, por doação, em 1999, com cerca de 2.200 títulos (livros, folhetos, periódicos, relatórios e outros documentos).


CONTATO

Rodovia Dourados/Itahum, Km 12 - Unidade II | Caixa Postal: 364 | Cep: 79.804-970 | Dourados | Mato Grosso do Sul
Secretaria: +55 67 3410-2271 | Coordenação: +55 67 3410-2298
E-mail: mestradosociologia@ufgd.edu.br
Skype: ppgs_ufgd

Nossas redes sociais:
Facebook  Twitter  Instagram  Youtube  Whatsapp
Fim do conteúdo da página